sábado, 21 de abril de 2018

QUATRO MILHÕES DE VISITAS

O blogue Eternas Saudades do Futuro, usufruindo certamente de muitos ex-leitores dos históricos mestres da blogosfera nacional —  os quais, entretanto, arrumaram as botas —, acabou agorinha mesmo de atingir o espantoso número de 4.000.000 de visitas. Confirma-se assim que vale a pena permanecer de pé entre as ruínas, como reza a consagrada frase. Veremos se também se verificará a máxima de que resistir é vencer.

REAL VERSUS VIRTUAL

Vale mais um amigo real do que mil amigos duma rede social.
Post Scriptum: É impressionante constatar o que ganhei em tempo e melhorei em qualidade de vida desde que saí daquele esgoto a céu aberto começado por F.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

DA SENSUALIDADE PURA QUE DURA


DA ALEGRIA DE VIVER


ANJO DE ABRIL


CÉU DE ABRIL


DAS INFLUÊNCIAS LITERÁRIAS

Como seriam Eça sem Ramalho, Pessoa sem Sá-Carneiro e Agustina sem Camilo?

SAUDADES DE MIM

Perdi-me dentro de mim
porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
é com saudades de mim.

MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO
(1890 — 1916)
[Nota: Excerto inicial do poema Dispersão — 7.º de 12, da sua Obra de Poesia, de 1913, com o mesmo título.]

SAUDADES DE MIM

Isto não é poesia, bem sei...
Mas prosa também não é...
E então?

É o que existe em mim,
entre a poesia e a prosa,
a realidade e o sonho...

A ponte suspensa
que liga o meu corpo
à minha alma...

E que só eu passo...

ANTÓNIO FERRO
(1895 — 1956)

quinta-feira, 19 de abril de 2018

DAS ETIQUETAS QUE NÃO EXISTEM NESTE BLOGUE

Muito por causa da minha querida estética minimalista, optei, desde o início desta solitária aventura blogosférica, por não ter aqui etiquetas; ou seja, as mensagens não são classificadas nem agrupadas por assuntos. Contudo, apeteceu-me fazer o exercício de aplicar virtualmente essa funcionalidade às últimas 25 (as que estão à vista, incluindo esta, na página inicial) publicações do blogue. Assim sendo, de cima para baixo, que é como quem diz, da última para a primeira, rezaria assim:
Blogosfera.
Sociedade.
Genealogia.
Música.
Música.
Política.
Blogosfera.
Beleza.
Cultura.
Livros.
Cinema.
Política.
Sociedade.
Genealogia.
Arte.
Religião.
Religião.
Blogosfera.
Aforismos.
Livros.
Livros.
Livros.
Cultura.
Biografias.
Biografias.


AMIGOS DE DENTRO E AMIGOS DE FORA

Toda a gente sabe, nem que seja apenas por antigas histórias de família ou pela literatura, o que são criadas de dentro e criadas de fora. Cheguei à conclusão que também há amigos de dentro e amigos de fora. Os primeiros, convidam-nos para casamentos, baptizados, festas e jantares em suas casas. Com os segundos, vamos jantar fora. 

quarta-feira, 18 de abril de 2018

BLOGUE EM DESTAQUE [INSPIRADOR PARA QUEM GOSTA DE GENEALOGIA]

terça-feira, 17 de abril de 2018

JÁ HÁ MIÚDAS NA PRAIA


ESTOU AQUI ESTOU NA PRAIA


quinta-feira, 12 de abril de 2018

DO ESTADO ACTUAL DA CAUSA MONÁRQUICA E DO MOVIMENTO MONÁRQUICO

A causa monárquica está morta. O movimento monárquico está parado. A primeira ressuscitará quando surgir um rei que confronte o regime. O segundo pôr-se-á em marcha quando houver um chefe que lidere uma alternativa ao sistema. Pode e deve ser a mesma pessoa.

DO MISTERIOSO «TOP TEN» DO BLOGUE ETERNAS SAUDADES DO FUTURO

quarta-feira, 11 de abril de 2018

VISÃO DO PARAÍSO


terça-feira, 10 de abril de 2018

OBSERVATÓRIO DO IMPÉRIO PORTUGUÊS [6]

Biblioteca Real — Gabinete Português de Leitura, Rio de Janeiro.

DA LIVRARIA À BIBLIOTECA

Houve um tempo em que se chamava livraria ao conjunto de livros que se tinha em casa. Depois, o comércio apropriou-se dessa palavra e desatou a aplicá-la às lojas da especialidade. Assim, desde aí, todos os que gostamos de ler e ter espécies literárias passámos a possuir bibliotecas, ditas particulares. Ainda não percebi se ficámos a ganhar ou a perder com esta nova nobre designação.  

DA DECADÊNCIA DA EUROPA

La Dolce Vita (Itália/França, 1960), de Federico Fellini.
Fellini retratou metaforicamente neste filme a decadência da civilização europeia. Contudo, ninguém quis olhar e ver a fita em profundidade. Ainda agora, os relatos da película apontam apenas para um boémio e belo dolce fare niente de uma decadente alta sociedade romana. Mas, o que vemos e ouvimos é muito mais do que isso.
Atentemos na última sequência de La Dolce Vita:
Após uma triste orgia, e ainda mal refeitos do tédio, um grupo de bons vivants encaminha-se para a praia, ao nascer do Sol. Lá, espera-os um monstro marinho (felliniano símbolo premonitório do Apocalipse?),  dado à costa e recolhido por pescadores. A estranha criatura mira-os — morta ou viva, nunca saberemos — com um perturbante olhar fixo. Mas a coisa não fica por aqui...
O grupo de pândegos, derreado por uma ressaca brutal, decide retirar-se.
No entanto, Marcello Mastroianni (colega do foto-jornalista Paparazzo, que assim dá origem à designação profissional) fica para trás, atraído por uma angelical pré-adolescente, que o chama por gestos e palavras, surgida do nada, sem estar ligada à referida pandilha. Ao longe, ele tenta entendê-la, percebê-la, compreendê-la... Mas, crueldade suprema, não consegue sequer ouvir as palavras que saem da sua boca. O som do mar está ali, como que criando uma barreira natural à comunicação. Hesitando ainda em se aproximar, logo é repescado por uma vamp ainda semi-embriagada que o leva por um braço, enquanto a rapariguinha fica a encarar-nos de frente — agora a nós, espectadores.
Nunca experimentei com tanta força e frieza o vazio e o silêncio numa sequência de fotogramas, porque senti que Fellini se dirigia a mim, a todos nós.
Os europeus renegaram as suas raízes espirituais, indo ao ponto de não se deixarem bafejar pela pureza.
É só isto. E está lá tudo. O horror do nada. A vida vazia e sem sentido.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

DO MASOQUISMO REPUBLICANO

Não bastando o facto da I República, apenas para sua própria sobrevivência e auto-propaganda, ter enviado para a frente da Grande Guerra milhares de portugueses que aí encontraram a morte; agora, a III República celebra esta data do 9 de Abril de 1918 em La Lys, que corresponde à maior e mais inconsequente derrota da nossa grandiosa e gloriosa  História Militar, como se de uma vitória se tratasse.

domingo, 8 de abril de 2018

AMIGOS VINTAGE

Dou por mim numa fase da vida em que me dou essencialmente com pessoas que conheço há exactamente 40 anos, pois foi aí que todos nós entrámos na mesma escola e que constatámos que éramos da mesma escola; ou seja, da mesma colheita e da mesma cêpa. Até hoje, porque estas afinidades não desaparecem; e, com o passar do tempo, até se fortalecem. São os amigos vintage. 

sábado, 7 de abril de 2018

BLOGUE EM DESTAQUE [MUITO ÚTIL PARA QUEM TEM COSTADOS ALENTEJANOS]

terça-feira, 3 de abril de 2018

MEU SITE [ARTE | VÍDEO | FOTOGRAFIA]

http://www.joaomarchante.com

(agora também acessível a partir de todos os dispositivos móveis: telemóveis, smarthones e tablets).

domingo, 1 de abril de 2018

PRIMEIRO DOMINGO A SEGUIR À PRIMEIRA LUA CHEIA DEPOIS DO EQUINÓCIO DE PRIMAVERA

Ressurreição, 1569-1600
EL GRECO (1541 — 1614)
Óleo sobre Tela, 275 x 127 cm
Museo del Prado, Madrid